Categorias
Sem categoria

Os 9 papéis do Coaching

Recentemente fomos privilegiados o suficiente para assistir o curso “Coaching além da equipe” de Esther Derby e Don Grey. Normalmente temos de viajar para longe para assistir a cursos como este, mas graças a Agile42, Esther e Don vieram até nós na África do Sul – yay!

A um tempo atrás, publicamos sobre como tirar o máximo proveito de conferências e treinamentos. Depois de 2 dias de treinamento eu estava quebrada, e minha cabeça estava pronta para explodir. Eu tinha tantas ideias e coisas para pensar. Já faz uma semana e estou pronto para compartilhar alguns de meus momentos de “AH-HÁ” com vocês.

Eu sempre soube que há momentos em que você é um Coach, em seguida, um treinador, em seguida, um mentor. E eu tentei, com o tempo, tornar-me mais consciente de quando estou usando cada chapéu e decidir conscientemente o que eu deveria estar vestindo.

Esther e Don me apresentaram aos 9 papéis de Coaching. Originalmente isso é do “Escolhendo um papel para consultoria” por Douglas Champion, Davie Kiel e Jean McLendon.

os-9-papeis-do-coaching

Durante o curso, alguém refletiu que a escala horizontal também inclui um elemento de tempo. À esquerda, você pode gastar menos tempo com o cliente e à direita, você está gastando muito mais tempo com o cliente.

Qual destes 9 blocos é o seu padrão? Eu senti que o meu era professor, mas quando perguntei a Karen, ela respondeu imediatamente o Observador Reflexivo. Interessante. Especialmente quando olho para o eixo. Então eu realmente não aceito nenhuma responsabilidade pela melhoria e resultados? Mmm. Acho que é verdade.

O padrão de Karen é Especialista prático. Qualquer um que a conhece bem deve concordar com isso. Talvez seja por isso que nos equilibramos tão bem.

Pensamento: Talvez, no momento, quando é necessário deixar de lado alguma atitude, o coach que naturalmente se encaixa deve assumir a liderança…. Esta é outra razão pela qual emparelhamento como coach’s é uma boa ideia.

Esther e Don também nos pediram para pensar em um cliente em particular com quem estávamos tendo dificuldades.

 

Então pense sobre:

  • Qual papel você se vê atualmente?
  • Qual o papel que o cliente vê em você atualmente?
  • Qual o papel que o cliente espera que você preencha?

 

Se você receber respostas diferentes… Pode haver algo em que você deve trabalhar.

 

Este é um relato de Sam Laing e Karen Greaves, a respeito de um curso onde viram  o conceito das 9 competências do Coaching. Esse post foi publicado originalmente por Sam Laing e Karen Greaves em Growing Agile. Acesse aqui.

Quer ler um pouco mais sobre os papéis do Coaching? Acesse os links abaixo:

 

Categorias
Sem categoria

O Quadro de Competências do Agile Coach

Este é um relato de Sam Laing e Karen Greaves, a respeito de um treinamento e o conceito do quadro de competências do Agile Coach, proposto por Lyssa Adkins’.

Recentemente tivemos o privilégio de assistir ao curso de Lyssa Adkins Treinando Equipes Ágeis no qual a treinadora local Antoinette Coetzee co-facilitou.  Geralmente, nós temos que viajar para longe para assistir a cursos como este, mas graças a Just Plain Agile, Lyssa fez essa viagem super longa para a até a ponta da África. (E eu acredito que ela realmente gostou  🙂  ).

Três dias de treinamento-interativo é brutal. Eu tinha tantas ideias que no final eu estava estourando. Agora, quase um mês depois, estou muito agradecida de ter tomado notas, pois do contrário eu não poderia lembrar-me de nada.

Cerca de um ano atrás eu assisti ao curso de Esther e Dons e aprendi sobre as 9 Funções do Coaching. No curso de Lyssa aprendemos sobre o Quadro de Competência de Treinamento Ágil (ACCF). O ACCF afirma uma paleta de habilidades para um bom treinador ágil. Ao contrário dos 9 papéis do Coaching, que são mais mentalidade de como você pode atuar como Coach.

accf

 

A área de Maestria Técnica me pareceu estranha, já que não faço isso. Você precisa ser capaz de dominar o lado técnico das coisas para ser um treinador ágil. Isso pode ser uma má interpretação do termo “domínio”. Aparentemente, saber sobre coisas técnicas e ser capaz de apontar equipes na direção certa é suficiente. Por exemplo: Equipe pergunta sobre testes unitários e você pode indicá-los para leitura sobre TDD ou algo similar.

A Maestria Transformacional também me incomodou um pouco. Eu a interpretei como uma completa transformação organizacional, e como coach eu prefiro não atuar nesta área com grandes organizações. No entanto, se eu interpretá-la como Gestão da Mudança, então independentemente do tamanho da organização isso é algo que eu gosto.

A ideia geral é classificar-se em cada área e, em seguida, ver onde você tem mais habilidades e onde você gostaria de melhorar.

A única área que eu acho que está faltando é a visão de si mesmo. Eu acredito que como um Agile Coach você deve “comer o seu próprio alimento de cão” e ter aplicado as técnicas que você está ensinando aos outros.

Também acho que você deve estar usando os princípios ágeis em sua própria vida e realmente estar vivendo os valores, e não apenas falar sobre eles. Eu perguntei onde isso iria caber no diagrama ACCF, e foi pensado que pode se encaixar em Agile / Lean Practitioner. Acho que posso ver isso. Mais uma vez eu interpretei que pode ser conhecimento no espaço ágil / lean e vejo que praticante poderia aplicar isso a si mesmo também.

 

Você está familiarizado com o Quadro de Competências do Agile Coach? Tem alguma área que você acha que está faltando ou que você interpreta de forma diferente?

 

Esse post foi publicado originalmente por Sam Laing e Karen Greaves em Growing Agile. Acesse aqui.

Quer ler um pouco mais sobre ACCF (Quadro de competências do Agile Coach)? Acesse os links abaixo:

 

Categorias
Sem categoria

As 7 Principais Práticas Ágeis

O trabalho ágil consiste em sete práticas principais. Essas práticas formam um sólido ponto de partida para qualquer pessoa, equipe ou comunidade que deseje seguir o caminho para a excelência.

Categorias
Sem categoria

Certificações Ágeis: Scrum

Se você está buscando uma certificação, há quatro opções para certificações Ágeis/Scrum  que conhecemos, cada uma listada abaixo:

 

Scrum Alliance

A Scrum Alliance foi a primeira a adotar uma certificação Scrum, fundada em 2002. Eles oferecem uma lista de certificações, dentre estas a mais popular tem sido a de Certified Scrum Master (CSM). Atualmente, existem cerca de 410,560 CSM no mundo. O CSM é uma certificação de nível base. Para obter a certificação CSM você precisa fazer um treinamento de 2 dias, lecionado por um Certified Scrum Trainer (CST), e então realizar um teste online,  e passar. Para encontrar uma turma próxima de você dê uma olhada no site da Scrum Alliance. Os custos do curso variam por região e de quem está promovendo o treinamento. Se você está considerando isso, o melhor caminho a seguir é ter alguns meses de experiência antes de participar. Desta forma, você saberá quais perguntas fazer e em que partes você está com dificuldade.

Scrum Alliance também oferece uma certificação para Product Owners chamada Certified Scrum Product Owner (CSPO). Assim como para a CSM, você precisa realizar um curso de 2 dias guiado por um CST. Atualmente, não existe teste online para o CSPO.

Scrum Alliance oferece um caminho para continuação com o Certified Scrum Professional (CSP), Certified Enterprise Coach (CEC), Certified Agile Leader (CAL) Certified Scrum Trainer (CST) , credenciais para aqueles com mais experiências. Você pode descobrir mais sobre estes programas no site da Scrum Alliance.

path-certifications-scrum

 

Scrum.org

Ken Schwaber saiu da Scrum Alliance e formou a Scrum.org em 2009. Eles agora são concorrentes na oferta de certificações Scrum. Você pode ter a certificação da Scrum.org online e sem realizar curso prévio. A certificação da Scrum.org é chamada de Professional (profissional) em vez de Certified (certificado). Portanto, PSM em vez de CSM. Existem vários níveis para cada uma das certificações da Scrum.org, como PSM I, PSM II, PSM III. Atualmente, existem cerca de 75 mil PSM I’s, 609 PSM II e 363 PSM III no mundo. O PSM I é considerado o equivalente do CSM.

Você pode realizar a prova para PSM I, II e III sem fazer nenhum curso, mas há um custo para adquirir o exame. Scrum.org também oferece uma certificação Professional Scrum Product Owner (PSPO).

scrum-org-assessment-pyramid.png

 

Scrum-Institute

Percebendo que certificações Scrum vendiam, alguém teve uma idéia brilhante. E se oferecêssemos a Certificação on-line a um custo baixo de apenas US $ 29? Pra melhorar, vamos ter certeza que nunca expira! E assim surgiu o Scrum-Institute. Se você quiser algumas letras para colocar em seu currículo e não tem qualquer orçamento, então você pode obter um Scrum Master Acreditted Certification, Scrum Product Owner Acreditted Certification ou Scrum Team Member Accredited Certification. Basta preencher seu formulário on-line, obter um código de acesso e realizar o teste on-line. Há pessoas que usam isso para contornar os pré-requisitos de recrutamento. Se você está pagando por si próprio e só precisa de um certificado como um requisito de trabalho, sugerimos iniciar a partir daqui.
Atualmente, existem mais de 438.000 pessoas certificadas com Scrum Master Acreditted Certification – mais do que a Scrum Alliance!

scrum_certification_process_international_scrum_institute

Project Management Institute (PMI-ACP)

Listada por último porque não é uma certificação Scrum específica, temos a oferta do PMI: O Agile Certified Practitioner (PMI-ACP). Atualmente, existem 13.712 titulares da certificação PMP-ACP. Esta é uma oferta ágil semelhante ao PMP para gerenciamento de projetos tradicional. Ela exige a comprovação da experiência de gerenciamento de projetos tradicionais, ágeis e a conclusão de uma avaliação em um centro de testes registrado. Embora não haja nenhum curso específico exigido, são necessárias 21 horas de treinamento. Tal como acontece com o PMP, existem cursos de preparação disponíveis para fornecer tanto as horas de formação, quanto o material que você precisa saber.

Resumo:

custo-certificacoes

*Preços atualizados em Janeiro/2017. Podem variar de região para região.

Esse post foi publicado originalmente por Sam Laing e Karen Greaves em Growing Agile. Acesse aqui.

Quer ler um pouco mais sobre Certificações Scrum? Veja os links abaixo:

Categorias
Sem categoria

Manifesto do Teste Ágil

Cerca de 3 anos atrás,  Sam Laing e Karen Greaves criaram sua versão de um manifesto de testes, como um resumo rápido da mentalidade se deve adotar ao pensar em testes ágeis. Ficou muito legal e,  o slide publicado foi retuitado e adicionado a muitas apresentações desde então.

Recentemente, elas refizeram o slide, aplicando algumas melhorias e deixando-o um pouco mais bonito e visualmente atraente:

testing-manifesto
Testing Manifesto, por Sam Laing e Karen Greaves

 

O Manifesto do Teste Ágil possui também uma versão em Português:

manifesto-do-teste
Manifesto dos Testes, traduzido por QALab

 

Devido ao sucesso, foi feita também uma versão em francês:

french-test-manifesto
Manifeste du Test, traduzido por Sam Laing e Karen Greaves

 

E você, já conhecia o Manifesto Ágil dos Testes? Como aplica no dia a dia?

Esse post foi publicado originalmente por Sam Laing e Karen graves em Growing Agile. Acesse aqui.

Quer ler um pouco mais sobre Testes Ágeis? Veja os links abaixo:

Categorias
Sem categoria

Poder ou Autoridade?

Quando trabalhamos com liderança e gestão de pessoas, normalmente temos ou estamos exercendo uma destas duas coisas. 

Mas, você sabe a diferença entre elas?

Poder pode ser concedido, por meio de competência, tempo de experiência ou eleição. Políticos, gerentes e coordenadores são exemplos de líderes através do poder.

Autoridade é o oposto, ou seja, é conquistada por meio das atitudes, caráter e relações e confiança do indivíduo. Liderança sem relação com posto ou cargo. Marthin Luther King, Hittler e Jesus são exemplos de líderes através da autoridade. 

Um líder pode ter autoridade sem ter poder, assim como alguns líderes tem o poder sem ter a autoridade. 

Líderes são seguidos pela autoridade e não pelo poder.

No dia a dia de liderança e gestão de pessoas, muitas vezes acabamos liderando muito mais pelo poder do que pela autoridade. O ideal é que consigamos equilibrar ambos, fortalecendo as relações de confiança que temos com as pessoas o qual nos relacionamos através da autoridade, sem esquecer que em alguns momentos é necessário exercer o poder.

– Samuel Lucas

Categorias
Sem categoria

TDCPOA 2016 – O que rolou na trilha Agile

No último dia de TDCPOA 2016 tivemos a trilha Agile. Neste post, quero compartilhar um pouco do que rolou e do que aprendi durante o dia nesta trilha!

Categorias
Sem categoria

Contas bancárias relacionais: como estão as suas?

De tempos em tempos, gosto de refletir a respeito de como está meu relacionamento com as pessoas o qual convivo. Stephen R. Covey traz esse paradigma em seu livro Os 7 hábitos das pessoas altamente eficazes, e tem sido útil nestes momentos de reflexão.

Você conhece as contas bancárias relacionais?

Categorias
Sem categoria

Hansei e Kaizen para retrospectivas

A retrospectiva é um momento para avaliarmos como estamos, como gostaríamos de estar e o que podemos fazer para chegar onde queremos chegar, individualmente e como equipe.

Neste post, falarei um pouco sobre o mindset Hansei Kaizen aplicado a retrospectivas.

Categorias
Sem categoria

Independência da equipe: Como medir?

Esta semana estava conversando com um amigo sobre equipes e liderança, e dentre alguns assuntos surgiu o seguinte comentário:

Hoje, posso dizer que meu time é independente. Não dependem de mim para fazer o seu trabalho.

Com base nisto fiquei pensando: como posso medir o nível de independência da equipe?